15/04/2024

Folha do Norte da Ilha

O jornal mais tradicional do norte da Ilha de Santa Catarina

Catadores receberão pagamento pela triagem de materiais recicláveis

Com o aval da Prefeitura de Florianópolis, a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, formalizou na última segunda-feira, 05 de junho, dentro da programação da Semana do Meio Ambiente, o início do pagamento em dinheiro pela triagem de recicláveis às cooperativas e associações de catadores da Capital.

“Até o momento nossa parceria garantia que os resíduos chegassem até aos galpões de separação sem nenhum custo, através dos caminhões do sistema de coleta. O lucro dos profissionais da triagem vinha da comercialização do material triado. Esse pagamento pelo poder público vai fortalecer o trabalho”, explica o secretário de meio ambiente e desenvolvimento sustentável, Fábio Braga.

Esse pagamento pelo poder público vai fortalecer o trabalho dos catadores

A remuneração, seguindo o preceito da Política Nacional de Resíduos Sólidos de priorizar a participação de cooperativas ou associações de catadores de baixa renda, será destinada para seis unidades de triagem, selecionadas por meio de credenciamento via chamada pública realizada em 2022. Serão pagos R$ 72,23 por tonelada de resíduo seco reciclável triado e encaminhado à reciclagem, independente da tipologia.

“O objetivo do credenciamento foi possibilitar a inserção formal das cooperativas e associações no sistema de coleta seletiva, com profissionalização e garantia do cumprimento dos requisitos ambientais, trabalhistas, fiscais e sociais, além de aumentar a renda para os catadores que são imprescindíveis ao processo de gestão dos resíduos”, salienta a gerente da divisão de planejamento da SMMADS, Daiana Bastezini.

O maior aproveitamento dos materiais também refletirá em ganhos econômicos com a logística, otimizando o aproveitamento das cargas da coleta seletiva e redução de custos com remoção, assim como o destino final com aterramento. “Hoje a triagem de recicláveis secos já movimenta cerca de 8.400 toneladas por ano. A remuneração reconhece e potencializa essa dinâmica, em um movimento semelhante ao que já fazemos no pagamento pela compostagem de resíduos orgânicos”, conclui Fábio Braga.

Da redação com informações da PMF
Fotos: Divulgação