Governo reforça necessidade de cuidados e isolamento social

Meta do governo é ampliar os leitos de UTI para que não falte atendimento a população

O cenário de disseminação do novo coronavírus em Santa Catarina recomenda atenção em todo o Estado. Diante do crescimento do número de casos, o Governo estadual alerta para medidas de isolamento social e cuidados da população. De acordo com informações da Secretaria de Estado da Saúde, sete regiões estão em estado gravíssimo, conforme a classificação na matriz de risco criada pelo órgão.

O governador Carlos Moisés ressalta que o Estado tomou medidas mais drásticas para promover o isolamento no começo da pandemia, porém, com a disseminação da doença de forma diferenciada pelas regiões, criou-se uma série de ferramentas para amparar a tomadas de decisões por parte dos gestores municipais.

“O momento é de cautela com o aumento do número de contaminados e de casos ativos. O Governo do Estado provém todo o apoio para as prefeituras e segue monitorando a situação diariamente. Também realizamos uma série de ações para ampliar os nossos leitos de UTI e garantir que não falte atendimento a quem necessita. Mas, para que tudo isso tenha efeito, é necessária a colaboração da população. É preciso que todos estejam atentos às normas sanitárias e de segurança em saúde”, salienta Carlos Moisés.

O secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, ressalta que juntamente com servidores da SES vêm mantendo contato constante com os entes municipais para informá-los das ações do Governo e da necessidade da tomada de medidas mais duras. Documentos elaborados pelo corpo técnico da Secretaria vêm destacando que, embora a letalidade em Santa Catarina siga relativamente baixa na comparação com os demais estados, o atual cenário causa preocupação.

“Estamos trabalhando para que não faltem leitos de UTI em Santa Catarina. As taxas de ocupação estão em alta, portando, é necessário que estabilizemos a curva de contágio em um primeiro momento, para que ela venha a cair em seguida. Como não temos nenhuma vacina, a única receita de que a sociedade dispõe atualmente é o isolamento social. Precisamos reforçar isso nas próximas semanas. Essa é uma questão muito importante”, ressalta Ribeiro.

Da redação: Leonardo Gorges/Secom
Foto: Mayla Barbi / SES